Da fragilidade dos dias

20 de Março, 2021 Não Por Madalena Palma

Do vento gelado que mareja os olhos

Às palavras ditas no lugar errado

Tudo é remar contra uma maré fria, feia, cheia de espuma suja.

Se a olhar de soslaio, protegendo os olhos, parecerá apenas a normalidade dos dias.

Mas há dias e dias.

E por vezes as lágrimas caem apenas porque estão num corpo que mais não suporta.

Transbordam aos milhares quando parecia apenas uma última gota.

Depois a vida regressa.

À normalidade dos dias.

O sol aquece a tez enquanto o vento seca a maré.